Ministério Público da Bahia denuncia Soldado Prisco por desvios de recursos da Aspra.


Ministério Público da Bahia denuncia Soldado Prisco por desvios de recursos da Aspra

Crimes como lavagem de dinheiro e falsidade ideológica também foram protocolados


O Ministério Público da Bahia (MP-BA)  denunciou o deputado estadual Marco Prisco (PPS), conhecido como Soldado Prisco, pelo crime de falsidade ideológica, peculato equiparado, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

A acusação foi protocolada no dia 2 de janeiro deste ano no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), porém só tornou-se conhecida nesta terça-feira (9), após a divulgação de um despacho da juíza plantonista Nartir Dantas Weber, publicado no Diário da Justiça da Bahia.

Além de Prisco, outros dois ex-membros da Associação de Policiais, Bombeiros e Familiares do Estado da Bahia (Aspra) foram acusados de praticar o crime. Após revelações feitas pelo sub-tenente da Polícia Militar, Evaldo Silva Santos, que apurou a participação dos três em desvios de recursos da Aspra, o MP-BA começou a investigar Prisco e os ex-integrantes da entidade.

O Ministério Público solicitou à justiça, além da quebra do sigilo telefônico, uma busca e apreensão na residência e no gabinete do Soldado e também na sede da Aspra, mas a juíza plantonista Nartir Weber negou. No despacho, a juíza alegou que o plantão do poder público de segundo grau está destinado ao julgamento exclusivamente de matérias urgentes.

Prisco disse, nesta terça-feira (9), que desconhece a denúncia do Ministério Público e atribuiu a acusação, que partiu do sub-tenente Evaldo Santos, a uma perseguição política que sofre. Prisco ficou conhecido após liderar greves da Polícia Militar na Bahia e logo após, se candidatou a vereador e em seguida, deputado estadual de primeiro mandato.


publicidade